Especialistas dão dicas de como equilibrar a mente e minimizar ansiedade e medo durante quarentena

Ansiedade, tristeza, preocupação, solidão, incerteza. Esses são alguns dos sentimentos causados pelo distanciamento social, necessário desde a segunda quinzena de março, por conta da pandemia do novo coronavírus. Além da privação da vida social normal, as pessoas também tendem a se preocupar com o risco de infectarem pela doença; e também vivem a preocupação com a crise econômica causada pela pandemia.

Especialistas consultados por OVALE deram algumas dicas para melhorar o bem-estar neste período de incertezas.

Cris Tomita, instrutora do projeto Yoga no Parque, em São José dos Campos, ressalta que o momento pode trazer desconforto físico e emocional. Mas há algumas atitudes simples que podem ajudar a ter mais tranquilidade.

“Cuidado com o excesso de informações – procure não ficar lendo e compartilhando muitas notícias, que isso causa ainda mais ansiedade e estresse pela incerteza do que está acontecendo. Se fizer mal, desconecte-se um pouco e procure fazer coisas que te tragam bem estar”, disse.

“Cuide de seu corpo – procure uma atividade física que te trague bem estar e relaxamento. Durma bem e tome sol”, enumera.

“Procure vivenciar a presença a cada momento – exercícios de meditação e respiração, auxiliam a mente e o corpo fazer uma pausa, que oferece uma sensação de presença e segurança. Viver um dia de cada vez, a cada momento, traz tranquilidade”.

Cris ainda ressalta que a tecnologia pode ser um importante aliado neste momento. “Mantenha suas relações, utilize a tecnologia a seu favor. Conecte-se com os amigos e parentes”.

CONTRIBUIÇÃO.

Para Mariana Marco, psicóloga comportamental e de alta performance, a psicologia tem muito o que contribuir neste momento. Principalmente no que se refere as cobranças externas e expectativas sobre nosso comportamento.

“Estamos falando de uma pandemia, logo, é normal sentir medo, ficar ansioso, preocupado. Minha primeira dica é: não se cobre tanto equilíbrio quanto se pede por aí. Seja respeitoso com a sua vida, suas emoções. Existem detalhes da sua história que o resto do mundo desconhece. Respeite-se”, disse.

Segundo ela, o equilíbrio, para este momento, é aprender a olhar para o mundo e para si mesmo com amor.

Para Mariana, primeiro é preciso ter clareza do estado ansioso e se permitir sentir e pensar sobre esse estado. “Não precisa ser muito tempo, não. Apenas o tempo para não sairmos por aí fazendo coisas só pra se livrar do desconforto”, disse a psicóloga.

Nutricionista ressalta importância de melhorar a imunidade neste período

A nutricionista Mariana Ferri d’Ávila, de São José, sugere o consumo fibras que servem de alimento para as bactérias boas que habitam nosso organismo e melhorar a imunidade. “Podemos encontrar nos alimentos, como cebola, banana, figo, aspargos, alcachofra, aveia, chicória, batata yakon, grão de bico, maçã, alho poró, ou na forma de suplementos alimentares”.

Tristeza faz parte da condição humana, diz psicóloga

A psicóloga comportamental e de Alta performance Mariana Marco afirma que sentir tristeza faz parte da condição humana e, neste momento de quarentena, ela é direta quanto ao que a pessoa deve fazer quando ficar assim: “sentir a tristeza”, disse. “Eu sei que é desconfortável e que a gente passou a vida aprendendo a dribla-la, evitá-la, mas o sentimento de tristeza faz parte da nossa condição humana e vez ou outra vai aparecer mesmo. Quando se sentir triste, observe a si mesmo. Procure entender os motivos que geraram esse sentimento. Acolha-se. Respeite-se. Em seguida, assuma uma postura comprometida de prosseguir com suas atividades apesar de estar se sentindo triste”, afirmou.

Fonte: Marcos Eduardo Carvalho @jornalovale